2005 - O Habito não faz o Monge

Ideia base: Zé António

Este ano tivemos uma ideia maluca. A ideia surgiu inicialmente de tirarmos uma roupa e haver outra por trás mas algo que criasse um contraste. O monge foi rapidamente consensual mas o que levar por baixo? Havaianas, bailarinas, bailaronas, “meninas” de tudo surgiu mas parámos finalmente nas meninas mas de claque, as tais cheer leaders. Chegámos também facilmente à conclusão que teríamos de ir a dançar para dar o impacto, uma música com o Monge e outra com as gajas, porém outro problema se punha: - Como colocar 30 e tal pés de chumbo a dançar que nem umas donzelas? Habituados que estávamos a dançar com uns finos a tarefa parecia facilitada. Contratámos um professor após 2! (dois, sim dois) meses de ensaios, gritos, amuos e porrada ficámos uns experts na dança. O nosso grito de guerra era: “Se as gajas de passerelle conseguem nós também”. No cortejo saiu quase tudo bem, e quando tirávamos o habito era um festival. Para quem não sabe, o que tínhamos escritos nas cuecas era PINDERICUS 2005. No ano em que mais nos divertimos e fizemos divertir o 6º lugar soube a pouco.

 

 

 

 


Tomás Granja, José António Lopes, João Oliveira, António Costa, Rui Oliveira, António Silva, Ricardo Neves, Filipe Brito, Manuel Leite, Luís César Silva, João Santos, Sofia Salgueiro, José Matos, Rui Ferreira, Bruno Oliveira, José Macedo, Fernando Ribeiro, Pascoal Sá, António Carlos Marques, Armando Pinho, Fernando Amaral, José Silva, Álvaro Rodrigues, Helder Gonçalves, Rui Silva, Carlos Soares, João Costa, Vítor Pinho, André Silva, Emanuel Pinho, Gilberto Gomes, Ruben Alcino, Álvaro Praça, António Sona, David Almeida, João Salgueiro e Nuno